[Resenha #6] A Voz do Arqueiro (Signos do Amor 1) – Mia Sheridan @editoraarqueiro

[Resenha
#6]:
A Voz do Arqueiro (Signos do Amor #1) – Mia Sheridan
@editoraarqueiro
Título:
A Voz do Arqueiro (Signos do Amor #1)
Autora: Mia Sheridan
Lançamento: Estados
Unidos -> 2014 / Brasil -> 2015
Estante: Skoob
GoodReads
Editora: Estados
Unidos -> Createspace / Brasil -> Arqueiro
Páginas livro físico: 336
Literatura: Estrangeira
Gênero: Romance
Estrelas: 4/5
Onde Comprar: Amazon, Americanas

Sinopse: Cada
livro da coleção Signos do Amor é inspirado nas características de um signo do
Zodíaco. Baseado na mitologia de Sagitário, A voz do arqueiro é uma história
sobre o poder transformador do amor.


Bree Prescott quer deixar para trás seu passado de
sofrimentos e precisa de um lugar para recomeçar. Quando chega à pequena
Pelion, no estado do Maine, ela se encanta pela cidade e decide ficar.
Logo seu caminho se cruza com o de Archer Hale, um rapaz mudo,
de olhos profundos e músculos bem definidos, que se esconde atrás de uma
aparência selvagem e parece invisível para todos do lugar. Intrigada pelo
jovem, Bree se empenha em romper seu mundo de silêncio para descobrir quem ele
é e que mistérios esconde.
Alternando o ponto de vista dos dois personagens, Mia
Sheridan fala de um amor que incendeia e transforma vidas. De um lado, a
história de uma mulher presa à lembrança de uma noite terrível. Do outro, a
trajetória de um homem que convive silenciosamente com uma ferida profunda.
Archer pode ser a chave para a libertação de Bree e ela, a
mulher que o ajudará a encontrar a própria voz. Juntos, os dois lutam para
esquecer as marcas da violência e compreender muito mais do que as palavras
poderiam expressar.

Permita que a revoada
de sementes de dente leão, trazidas por uma espiralada brisa do verão, às
margens do lago, te leve a conhecer os 35 capítulos que contam o doce romance
entre Bree Prescott e Archer Hale.
Ambos consistem em
almas feridas pela dor e pelo infortúnio da tragédia.
Bree busca, na pequena
Pelion, fugir dos terrores de seu trauma relativamente recente, e encontrar um
pouco de paz. Deixa sua vida e seus fiéis amigos em sua cidade natal:
Cincinatti – Ohio, e acompanhada por sua cachorrinha Phoebe, parte numa viagem
em busca de reequilíbrio do seu eixo emocional. Tão comunicativa quanto linda,
nossa jovem protagonista não demora a fazer novos amigos na turística cidade do
estado norte-americano do Maine; agregando carismáticos e divertidos personagens
à história. Em contraponto com sua determinação e personalidade marcante, Bree
revela uma carência pungente, e a doçura dos que aprenderam com as perdas da
vida.
A primeira coisa que
lhe chama a atenção em Archer é a beleza máscula e os olhos castanhos-dourados
escondidos sobre a capa desleixada, hostil e até assustadora; construída, com
sucesso, para afastar os moradores da cidade.
Em meio a tantos CEO’s,
bad boys, astros do rock, cowboys e outros tipos sensuais e viris que povoam o
mercado desse gênero, Mia Sheridan foi extremamente corajosa em apresentar um
jovem eremita mudo, e sem qualquer experiência sexual, como protagonista.
Habilmente criado para enternecer e trazer um novo conceito a esse tipo de
personagem.
Se Bree carrega e lida
com seu trauma há apenas seis meses, Archer convive com o seu por longos, e
tristes e solitários 16 anos. E a chave para este segredo aparece nas páginas
iniciais da obra, no primeiro capítulo, que também é o primeiro flashback, de vários outros que dão
pistas ao leitor da profundidade da tragédia de Archer. Além da própria
pesquisa e sutil investigação que Bree, intrigada e curiosa, faz junto aos
moradores de Pelion.
Mas, Bree não é outra
coisa senão teimosa, e não obstante a capacidade dele em afugentar as pessoas, ela
e Phoebe permanecem tentando se aproximar, até que conseguem romper a barreira
do silêncio.
Apesar das investidas
de Travis Hale, o popular primo de Archer e candidato ao cargo de xerife da
cidade, que logo se interessa por Bree; sua nova amizade com o Archer explode
num ardente romance. E, muito embora, Travis tente seu pior para separá-los, os
verdadeiros antagonistas deste amor acabam sendo a insegurança, a falta de
perspectiva e carência-dependente que ele começa a canalizar para seu amor por
Bree.
A narrativa é em
primeira pessoa e predominantemente da Bree, mas são vários capítulos narrados
pelo Archer, de flashback ou não, o
que torna o texto ainda mais interessante ao entrar na cabeça de um personagem
que não fala nada que não seja através de libras ou por escrito. Como de
costume, a escrita da autora é simples, porém muito bem acabada, sem floreios e
sarcasmo excessivo.
Com esses ingredientes,
é impossível ao leitor não se apegar a trama. Que embora não se torne uma noite
de sexo avassaladoramente apaixonado e viciante; está muito mais para um
delicioso amasso terno e pacífico num fim de tarde chuvoso. E, após provar –
novamente – a infinita capacidade do amor em curar as mazelas da alma e
suplantar toda e qualquer barreira, quase provocar um ataque de ansiedade no
leitor com seu clímax final de tirar o fôlego, e finalmente, levar às lagrimas
sorridentes no último capítulo; Sheridan traz como marca registrada de seus
livros mais um epílogo em meses, ou neste caso, anos depois. O que é sempre
especialmente saboroso antes da despedida.
Assim, A Voz do
Arqueiro é entitulado pelo único som que jamais é emitido em todas as 290
páginas, e ganha quatro estrelinhas douradas, com a simples (piada interna!)
justificativa: Eu “Mia” os livros
dessa autora!
Por:
Anna CMS
Notaram a diferença na resenha? Sim, né? Essa foi a
nível profissional, assinada pela Anna nossa nova parceira e que em breve venho
com muitas novidades sobre ela, aqui pro Blog.
Mas vamos antes as apresentações. Quem é a Anna CMS?

Anna CMS é uma escritora que está para lançar seu primeiro romance pela
Chiado Editora: Eu Mereço Ser A Única, que é o livro um da série A Cidade Que
Nunca Dorme. Suas histórias estão disponíveis no Wattpad e ela ama ler tanto
quanto escrever e interagir com leitores e outros autores.

Querem saber mais sobre a Anna? Vocês podem encontrá-la no Twitter, no
Facebook e no Wattpad, (basta clicar nas palavras destacadas).

Espero que tenham gostado da resenha, eu adorei e quero mais, hein Anna!
Hahaha

Leia também

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Arquivos