[Resenha #19]: Stolen Wishes – Lexi Ryan

Título:  Stolen Wishes
Autor (a): 
Lexi Ryan
Lançamento: 2014
Estante: SkoobGoodReads
Editora:  Ever After, LLC
Páginas:  246
Literatura: Estrangeira
Gênero: Romance
Estrelas: 4/5
Comprar: Amazon (livro físico), iTunesBooks,
Kobobooks (E-books)


Sinopse: Cally…Um sorriso sexy. Intensos olhos azuis.
Uma bondade que o faz querer me salvar desses rumores quando ninguém se
importaria. Eu não pedi por um herói. William Bailey não era para ser nada mais
do que um desejo, um sonho, uma paixão não correspondida. Não para uma garota
como eu – uma menina cuja família quebrada roubou a chance de uma vida decente.
William…Desde a morte de meus pais, eu sempre
fiz o que é esperado de mim, o que é “melhor” para mim. Até conhecer
Cally. No momento em que seus olhos assombrados encontram os meus, as peças
quebradas do meu coração ficaram inteiras novamente. Eu não quero apenas
salvá-la. Eu preciso dela para me salvar.
Stolen Wishes. Desejos interrompidos.
Duas almas solitárias agarrando-se a esperança na escuridão.



A
primeira coisa a que Stolen Wishes me remeteu foi “A Garota de Rosa Shocking”
que, pra quem nunca ouviu falar, é um filme de romance/drama adolescente, um
dos clássicos da década de 80. Mas de forma alguma entendam isso como sarcasmo
da parte desta resenhista, realmente amo aquele filme e Lexi Ryan, neste livro
me fez pensar e questionar: O que há com estes romances adolescentes que nunca
perdem a graça? Nunca ficam velhos ou bregas?
E,
principalmente, o que há com o, supostamente ultrapassado, enredo do garoto
rico que se apaixona pela menina pobre do colegial?
Porque
este é o detalhe que une aquele clássico de 1986 a este livro.
Ryan
nos conta a história da doce e fofa Cally Fisher e do lindo e disputado William
Bailey. Ela faz duas surpreendes descobertas na noite que inicia o livro: uma
terrivelmente triste e constrangedora relacionada à sua mãe, e outra igualmente
chocante, de desprender os pés do chão, ligada ao popular quarterback de sua
escola.
Will
é o quarterback que nunca recebeu o memorando… (outra piada interna! Precisa
ler para entender!) Dono de olhos azuis que delatam o que traz na alma, criado
pela avó desde o pré-escolar, ele definitivamente quebra paradigmas e arrebata
o coração do leitor.
E
é nele que reside a resposta às minhas duas primeiras perguntas.
É
que para leitores do sexo feminino – principal consumidor desse gênero, tanto
no mercado literário, quanto em filmes –, o protagonista de um destes romances
adolescentes sempre será o símbolo do seu próprio deus inalcançável do
colegial. Todas um dia tivemos, sonhamos, cobiçamos e fantasiamos nossos
próprios “Willians Baileys”. E não importa se nossa formatura foi há seis meses
ou vinte anos; na nossa lembrança, eles sempre serão jovens e perfeitos,
atléticos e heróicos. E sempre serão o símbolo da época mais feliz das nossas
vidas. Por isso este tema nunca fica velho, nunca se esgota. Porque na medida
em que perdemos o contato e nunca mais vemos esses personagens platônicos da
vida real, jamais seremos capazes de imaginá-los carecas e barrigudos. É como
se os congelássemos no tempo, infinitamente perfeitos, em nossas próprias
reminiscências.
E,
isso somado a uma linda protagonista em perigo logo na primeira cena, que vive
em um lar agonizante; com pais que são como dois estranhos dentro do mesmo
trailer – o que faz dela a única cuidadora das duas irmãs pequenas, e com
sérios problemas de identidade e segurança, inclusive com sua sexualidade,
devido aos erros de sua mãe. Faz de Stolen Wishes uma história bonita e
cativante. E, não se deixem confundir por minha analogia inicial, a diferença
social ainda é muito atual, principalmente numa cidadezinha provinciana, como
New Hope, e a escrita de Ryan a torna extremamente contemporânea, com
personagens secundários importantes, uma vez que são capazes de trazer leveza e
humor ao texto.
São
apenas 9 capítulos narrados em primeira pessoa, hora pela Cally, hora pelo
William, e de uma forma tão vicária que nos faz ficar alegres, tristes, com
raiva e apreensivos junto com eles; nos faz perceber que muito além de apenas
mais um romance adolescente do menino rico com a menina pobre, trata-se de um
livro que fala sobre a insegurança daqueles que se acham insuficientes para
alguém amar e que quando encontram tal felicidade idealizada, sempre sofrem
calados, achando que podem perdê-la a qualquer momento, como se não merecessem
essa dádiva na vida.
Com
estes ingredientes Stolen Wishes acabou se tornando um body shot de tequila num dia comumente enfadonho, me deixando
levinha, como se estivesse apenas deitada à beira do rio à noite, sob um manto
negro salpicado de estrelas. Carimbo com 4 estrelinhas douradas!

Por:
Anna CMS

A Anna é uma fofa, não é?
Essa resenha ficou tão maravilhosa quando as outras, espero que vocês achem também.

Leia também

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Arquivos