Resenha #206 A Traidora do Trono – Alwyn Hamilton @editoraseguinte

Título: A Traidora do Trono (A Rebelde do Deserto #2)
Autor (a): Alwyn Hamilton
Lançamento: 2017
Páginas: 440
Editora: Seguinte
Comprar: Amazon
Estante: Skoob
Literatura: Estrangeira
Gênero: Fantasia
Estrelas: 4,5/5


Amani Al’Hiza mal pôde acreditar quando finalmente conseguiu fugir de sua cidade natal, montada num cavalo mágico junto com Jin, um forasteiro misterioso. Depois de pouco tempo, porém, sua maior preocupação deixou de ser a própria liberdade- a garota descobriu ter muito mais poder do que imaginava e acabou se juntando à rebelião, que quer livrar o país inteiro do domínio do sultão. Em meio às perigosas batalhas ao lado dos rebeldes, Amani é traída quando menos espera e se vê prisioneira no palácio. Enquanto pensa em um jeito de escapar, ela começa a espionar o sultão. Mas quanto mais tempo passa ali, mais Amani questiona se o governante de fato é o vilão que todos acreditam.




Para quem leu a minha resenha do primeiro livro
dessa trilogia, sabe que eu amei o primeiro livro. E agora trago para vocês a
resenha do segundo livro que, assim como o primeiro, me conquistou de maneira
que eu não conseguisse largar o livro até ter terminado ele.
Mais uma vez, Alwyn Hamilton escreveu um livro
repleto de ação e aventura, com a mesma narrativa que temos no primeiro livro,
mas agora teremos um vislumbre do que se passa do outro lado da moeda, o lado
inimigo ao da rebelião.
O livro começa seis meses após os eventos finais do
primeiro livro e, levando em consideração isso, Alwyn Hamilton sabe muito bem
como escrever um final de livro que lhe deixa morrendo de curiosidade para ler
o próximo livro.
Nesses seis meses que se passaram, Amani está cada
vez mais integrada a rebelião e, com isso, disposta a fazer tudo em prol dela
para que os rebeldes e o príncipe estrangeiro consigam finalmente destronar o
sultão. No entanto, algo acontece e Amani acaba em poder do sultão. Se vendo
nessa situação, ela precisa conviver com toda a corte do sultão, o harém e o
controle que lhe foi imposto para conseguir sobreviver e quem sabe ainda ajudar
a rebelião.
Se você já achou que muita coisa aconteceu no
primeiro livro, se prepare, pois nesse livro há muito mais coisas acontecendo e
a trama se desenvolve muito mais rápido e complexamente que no seu antecessor.
Amani continua uma protagonista forte e dona de si,
que sabe o que quer e luta por isso. Em poder do sultão, conhecendo sua corte e
suas motivações para fazer tudo o que fez e distante dos rebeldes, ela começa a
se questionar se ele é realmente o tirano que os rebeldes acham? Ou tudo não
passou de uma ilusão da rebelião?
  
O ponto forte do livro foi ver como Amani é
inteligente e como lidava com o fato de não poder mentir e ainda estar sobre o
domínio do sultão e mesmo assim conseguir enganá-lo. Mas claro que para isso
ela teve a ajuda de alguns personagem que até então encontravam-se esquecidos na
história, além dos já conhecidos rebeldes.
Mas dentre todos os rebeldes, a que mais foi relevante
para a jornada da demdjin foi Sahazad. A amizade das duas teve uma evolução gigantesca.
No primeiro livro elas se tornaram amigas porque Amani sempre dormia na tenda
de Shazad, mas conforme o livro evoluía elas foram fortaecendo esse vinculo que
elas tinham, mas nesse segundo livro elas conseguiram elevar a amizade para um
outro nível. Mas Shazad é bem mais do que apenas amiga de Amani no livro, elas é
a general do Ahmed e se faz tão necessária na história quanto nossa protagonista.
Eu não posso terminar essa resenha sem mencionar dois
novos personagens que nos é apresentado, Sam e Rahim. Sam começa na história
sem nenhuma pretensão e com o passar das páginas você percebe que, além de ele
ser um fofo e você já querer colocar ele num potinho, ele é bem importante para
a história. Ele acaba fazendo parte da rebelião sem querer, mas acaba, assim
como a demdjin, fazendo de tudo por ela. Rahim é mais um dos muitos filhos do
sultão e comanda um pequeno exército, durante muito tempo foi difícil decidir
de qual lado da guerra que ele estava e eu somente descobri que lado era quando
este já estava bem óbvio na história.
Em A Traidora do Trono, temos algumas resposta que
ficaram pendentes no primeiro livor, como a explicação de toda a mitologia, dos
djinnis e sua magia. E toda essa explicação é de vital importância para o
desenvolvimento da trama.
O livro é maravilhoso e se você quer uma fantasia
em que haja uma protagonista feminina forte e empoderada esse é o livro. Com
toda certeza Amani e toda a rebelião vão te conquistar e você não vai conseguir
largar o livro até terminar de ler tudo.
Beijos e até a próxima
Bell

Bell

Sou Bell Paula, tenho 28 anos e sou Bacharel em química e estudante de Tecnologia de Processos Químicos. A leitura está presente na minha vida desde criança, quando meus pais compravam para mim os gibis da Turma da Mônica, isso com meus 8 anos. Apaixonada por série que ninguém conhece, filmes clichês e músicas estranhas, tenho no manuscrito um lugar para falar das minhas leituras e compartilhar minha paixão. Amo livros de YA, romance e fantasia, mas adoro um bom clichê.

Leia também

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Categorias

Arquivos