Resenha #264 Tokyo Ghost – Rick Remender, Sean Murphy e Matt Hollingsworth @DarkSideBooks

Título: Tokyo Ghost
Autor: Rick Remender, Sean Murphy e Matt Hollingsworth
Lançamento: 2019
Estante: Skoob
Páginas: 272
Editora: Darkside Graphic Novel
Comprar: Amazon
Literatura: Estrangeira
Gênero: HQ, ficção científica
Estrelas: 5 / 5

Ilhas de Los Angeles, 2089. O planeta foi tomado pelos oceanos, mas a água é tão poluída que dissolve a pele. A humanidade está viciada em tecnologia em níveis inimagináveis, mesmo para os tempos em que vivemos hoje. A grande maioria, desempregada e famélica, vive em busca da alienação e um pouco de paz que o “barato” digital proporciona. Mesmo que para isso os tecnoiados precisem roubar e matar. Todo mundo anda ocupado em evitar a realidade, enfurnado nos antros do ópio eletrônico, cujo monopólio está nas mãos de gângsteres comandados pelo famigerado Flak. E como em todo comércio que envolve viciados, os problemas não são poucos. Para enquadrar os tecnoiados, cobrar dívidas e eliminar aqueles que incomodam além da conta, Flak e seus adeptos recorrem à dupla de delegados Debbie Decay e Led Dent, assassinos cruéis. Debbie, porém, nunca se rendeu ao vício digital, exceção das exceções, uma autêntica zero-tec. A dupla está prestes a cumprir uma missão longe da miserável Los Angeles. O objetivo: derrubar o último país que ainda não se rendeu ao mundo ciberconectado, os Jardins Verdejantes de Tóquio. Muitos podem achar irônico ver um dos países mais tecnológicos ser transformado em bastião ecológico, mas não custa lembrar da milenar tradição de sua cultura, imersa na ética e na sabedoria dos samurais, que se faz presente e tem papel fundamental no enredo. Escrito pelo aclamado roteirista Rick Remender (Capitão América, Deadly Class, Fabulosos Vingadores, Venom), com arte magistral de Sean Murphy (Batman, Hellblazer, Vampiro Americano) e cores de Matt Hollingsworth (Demolidor, Hellboy, Preacher, Wytches), Tokyo Ghost é uma ficção científica distópica repleta de ação, com influências que começam em Blade Runner e William Gibson, passam por artistas futuristas dos anos 1970 e 1980 e chegam a Akira, além de mangás que evocam a cultura dos samurais. Dando sequência à parceria com a editora norte-americana Image, que teve início com a publicação de Wytches – de Jock e Scott Snyder – a nova graphic novel da DarkSide Graphic Novel, selo de quadrinhos da editora DarkSide Books, faz comentários políticos nada animadores sobre o mundo que estamos construindo, cada vez mais idiotizado e mediado pela tecnologia. Além disso, traz uma história de amor e, por que não?, uma gota de esperança neste oceano sombrio que atravessamos atualmente. Tokyo Ghost foi serializada entre 2015 e 2016 em dez edições nos EUA e agora ganha uma edição completa e definitiva com capa dura especial, além de extras como layouts de capas alternativas, estudos de personagem e trechos do roteiro. Um material completo, de fã para fã, como só a DarkSide Books sabe publicar. Preparado para se conectar?

Tokyo Ghost é uma HQ de ficção científica ambientada num futuro distópico totalmente tecnológico. O ano é 2089. Os recurso naturais estão esgotados, os mares tomaram conta da maior parte da terra e a água está tão poluída que é capaz de dissolver a pele. O único modo que se encontrou para sobreviver foi através da tecnologia, mas a humanidade está viciada, sendo chamados de tecnoiados.

O problema de deixar o povo escolher seu líder, é que a decisão tende pro psicopata que for mais seguro de si, por mais anta que ele seja. A percepção de qualificação é o que engana o povo. Quando botam executivo de empresa no governo, ‘pelo menos os caras são bons de negócio’.

Em meio ao caos que a sociedade se tornou, um homem reina absoluto : Flak. Ele se aproveitou do vício das pessoa e encontrou uma maneira de prosperar e ser adorado por todos. Ele não é exatamente o que as pessoas acham, sendo bem mais que um gangster comum.

Para tomar conta da bagunça que se torna quando um tecnoiado fica sem sua dose de tecnologia são chamados os delegados. Esses delegados fazem parte de um programa chamado P.E.M., que pega pessoas que antes eram consideradas fracas e as tornam extremamente fortes. e foi isso que aconteceu com Teddy Denis. Porém, ao passar pelo programa, Teddy se esqueceu que era bom e que tinha um coração bondoso e se tornou Led Dent, o mais competente e temido assassino e cruel delegados de flak

Debbie Decay é uma agente que trabalha junto de Led. Ela é uma das poucas pessoas zero tec e que não se deixaram levar pela tecnologia. Ele é Led se conehcem desde a infância, são amigos e namorados desde essa época. Debbie só quer ir embora de Los Angeles junto com Led, se livrar de Flak de uma vez e reconstruir suas vidas em Tokyo, onde há um lugar onde as pessoas vivem em harmonia com a natureza. E é exatamente para lá que ela e Led são enviados em uma missão. Sua última missão.

A história é maravilhosa. Cheia de reflexão e alfinetadas sobre a situação do planeta e sobre a dependência da humanidade na internet e na tecnologia. E como isso pode acabar nos levando a um caminha sem fim. Toda essa crítica é vista desde a transformação de Teddy Denis em Led Dent, até nas cenas de Flak sendo bajulado por todos ou nos tecnoiados não ligando se estão tomando água ou mijo.

A história é totalmente adulta e não decepciona quem procura uma HQ com bastante ação. Inclusive eu ouso dizer que a HQ chega a ter um traço de crueldade e violência extrema, mas isso tudo se justifica pelo cenário futurista e distópico que é mostrado. E os traços de Sean Murphy destacam mais essa crueldade mostrada por Led Dent.

Tokyo Ghost pode ser apenas mais uma HQ cyberpunk distópica, mais uma ficção que está bem distante da realidade, mas pode sim ser uma possibilidade de futuro para a humanidade. Talvez um pouco menos fantasiosa (ou não), mas ainda assim uma possibilidade de futuro, onde a natureza está devastada, os recursos escassos, oceanos inundando locais e todos estão totalmente viciados em tecnologia (parece um pouco com os dias atuais, né?).

Tokyo Ghost não é uma HQ para todos. Com grandes doses de violência, ação e muitas críticas a sociedade, quem ler com certeza irá refletir por muito tempo e nunca mais irá olhar para a tecnologia da mesma maneira.

Beijos e até a próxima!

Bell

Bell

Sou Bell Paula, tenho 28 anos e sou Bacharel em química e estudante de Tecnologia de Processos Químicos. A leitura está presente na minha vida desde criança, quando meus pais compravam para mim os gibis da Turma da Mônica, isso com meus 8 anos. Apaixonada por série que ninguém conhece, filmes clichês e músicas estranhas, tenho no manuscrito um lugar para falar das minhas leituras e compartilhar minha paixão. Amo livros de YA, romance e fantasia, mas adoro um bom clichê.

Leia também

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Categorias

Arquivos