Resenha #283 Trilogia: Magnus Chase e os deuses de Asgard – Rick Riordan @Intrinseca

Uma das obras mais aplaudidas do escritor Rick Riordan, a trilogia de Magnus Chase é vencedora do prêmio Stonewall Book Awards de 2017 na categoria infantojuvenil, concedido a este livro por conter mais diversidade LGBTQI+. Magnus Chase e os deuses de Asgard conseguiu agradar todo o público jovem, fã de mitologia nórdica ou não, e é por isso e muito mais, que é o foco desta resenha.

Ficha Técnica

Título: Magnus Chase e os deuses de Asgard

Autor: Rick Riordan

Lançamento: 2015 

Estante: Skoob

Editora: Intrínseca

Comprar: Amazon

Literatura: Internacional

Gênero: Fantasia, Aventura

Sinopse: Magnus Chase é um garoto de 16 anos, que após a morte de sua mãe em circunstâncias estranhas e traumáticas, decide morar nas ruas de Boston se escondendo de todos, mal sabendo que na verdade é um semideus nórdico e que está dentro de uma profecia que selará o destino dos nove mundos.

“Escolhido por engano, não era sua hora,

Um herói que, em Valhala, não pode permanecer agora.

Em nove dias o sol irá para o leste,

Antes que a Espada do Verão a fera liberte”

Livro 1 – A Espada do Verão

Iniciando a trilogia com o pé direito, temos A Espada do Verão, onde o mundo nórdico de Magnus é apresentado e sua identidade meio divina é desvendada. Ao descobrir sua ligação com os deuses de Asgard, Magnus se vê obrigado a partir com seus amigos numa missão que pode levar-lhe definitivamente a vida. O problema para o jovem semideus é que sonhos começam assombrar-lhe as noites com Fenrir um lobo — Magnus tem medo de lobos —, e Loki, o deus da trapaça que todos têm uma inclinação a odiar e que por acaso ou não, está tentando libertar Fenrir para começar o Ragnarök.

Livro 2 – O Martelo do Thor

O segundo livro da trilogia, vem para envolver Magnus numa missão de achar o Martelo de Thor para que Thor possa salvar Midgard, ou seja, a terra. Na concepção de Magnus, Odin com certeza se superou. Um casamento acontecerá em cinco dias, e nesses dias ele precisará junto com seus novos amigos encontrar Mjölnir para que o deus do trovão evite a invasão de gigantes no casamento de Thrym, filha de Thrym, neto de Thrym. E isso irá misturar zumbis nórdicos poderosos, uma ponte arco-íris e uma garota(o) de gênero fluido estilosa(o) que aparentemente não vai com a cara dele.

Livro 3 – O Navio dos Mortos

E vamos ao último livro. Desta vez, Magnus quer sumir. Mar, a missão será no mar, e Magnus tem quase certeza que morrerá ao pisar no grande e desengonçado navio que ele e seus amigos serão obrigados a locomoverem-se pelos nove mundos. Agora, a ameaça de Loki está mais do que vívida, atreve-se firme com o Navio de Unhas. Magnus terá que vencê-lo ou todos morrerão, e pior — como sempre —, ele deve fazer isto num vitupério, uma competição de insultos. Mas, não é muito azar?

Esta trilogia é uma das melhores de Rick Riordan, um leitura leve e engraçada. O personagem principal irônico conquista mesmo sem precisar de esforços. Eles e seus amigos irão deixá-lo de cabelo em pé com suas mortes iminentes. Confira e adquira estes livros para a vida, vale muito a pena.

Julia Paranhos

Julia Paranhos

Estudante de Comunicação Social - Jornalismo, no Espírito Santo. Apaixonada por livros, filmes e séries, em especial de aventura e romance. Extremamente feliz por escrever resenhas destes tópicos no Blog.

Leia também

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Categorias

Editora Parceira

Aliança de Blogueiros

Arquivo