Resenha #326 Nunca vou me Apaixonar, Famosas Últimas Palavras 1 – Mari Monni #PitangusEditorial

Resenha #326 Nunca vou me Apaixonar, Famosas Últimas Palavras 1 – Mari Monni #PitangusEditorial

Título:  Nunca vou me Apaixonar, Famosas Últimas Palavras I
Autor (a): Mari Monni
Lançamento: 2020
Estante: Skoob
Páginas: 308
Editora: Pitangus Editorial
Compra: Amazon
Literatura: Nacional
Gênero:
Romance, Ficção
Estrelas: 4,5/5


Sinopse: Todo mundo já sofreu por amor. Comigo não foi diferente. Só que, em vez de ficar sofrendo, resolvi fazer um pacto com meus dois melhores amigos:
Nunca vou me apaixonar.
Desde então, levo minha vida de forma descomplicada: muitas mulheres, zero envolvimento.
Prazer, me chamo clichê ambulante.
Mas não desista de mim ainda. Não sou tão superficial assim… As coisas começam a mudar radicalmente quando conheço minha nova vizinha. Ela é linda, inteligente e sexy até o último fio de cabelo ruivo. O único problema é que Clara é virgem. Ou seja, minhas táticas de sempre não funcionarão com ela.
Agora, só me resta sofrer, porque esta será a história de um cafajeste apaixonado sendo obrigado a levar uma vida celibatária. Não sei quanto tempo vou aguentar.
!ALERTA!
Este livro contém homens lindos, situações muito engraçadas e algumas cenas pra lá de quentes. Leia a seu próprio risco. A autora não se responsabiliza se, ao final da história, você estiver completamente apaixonada e querendo mais.

Resenha feita em parceria com a editora.

A Dea disse que esse livro era a minha cara e acertou. Acho que fazia um bom tempo que eu não dava tantas gargalhadas com uma história. Sério, Dante é hilário!

Imagine vocês um semi playboy que vive a vida de um Don Juan e de repente, depois de uma noite daquelas, ser obrigado a fazer um trato com a sua vizinha e partir daí começar a sua – tortura, palavras dele não minha -, privação de sexo.

Dante é um rapaz italiano de 29 anos, está começando a alavancar na vida profissional, porém, um pacto com seus amigos depois de uma desilusão aos 19 anos o faz fugir do amor. 10 anos depois, a única coisa que importa para ele é se aliviar – gozar – e não ter que dar explicações no dia seguinte.

“Inclusive, desfiz a amizade com Gael. Ele postou uma foto dele bebendo cerveja. Interpretei que cerveja é um tipo de comida. Eu estava com sede. Foda-se.”

Mas, depois de uma noite regada a muita bebida ele acaba encontrando na sua cama uma mulher que ele não sabe o nome e muito menos tem vontade de passar mais alguns minutos com ela.

Infelizmente para ele as coisas não aconteceram do jeito que ele planejava, ele teve que fugir desse apartamento e se esconder perto da escada o problema é que, estando lá, ele encontrou a vizinha que tinha passado a noite em claro justamente por causa da orgia que ele estava fazendo no apartamento que tem uma parede de divisão com quarto dela.

Clara não aparenta em nada ser o furacão que é, minúscula e tímida, como o próprio Dante a descreve tem aparência de uma fadinha, é uma mulher decidida, romântica e que sabe o que quer. Porém, um dos seus desejos mais românticos a faz ser diferente das outras mulheres e é isso que acaba envolvendo e encantando Dante de uma forma inexplicável.

Os dois são completamente diferentes, enquanto Dante foge de compromissos, Clara só aceitará ir para cama depois de assinar o contrato de casamento com aquele que prometer ser o seu amor no resto de suas vidas.

“Ainda não entendo muito bem como funciona essa coisa de amar e estar apaixonado, mas cara… É foda.”

Contraditório não? Exatamente nesse ponto de partida que vamos ver um amor enlouquecedor ser construído. Esse casal vai precisar de uma forcinha extra, porém, necessária para enxergarem o que ambos não conseguiram descobrir sozinhos.

Graças ao acaso, quando eles decidem ceder a atração óbvia, as coisas se tornam um tanto explosivas.

Dante, porém, depois de muita privação e abundante exceções de amasso, acaba tomando aquela decisão inevitável. Ele enxerga que Clara é a mulher que vai colocá-lo no eixo e sim, ela é a mulher da sua vida.

***
Eu li esse livro em tempo record, acho que o tanto de irreverência na escrita da Mari foi o que me levou a ler tão rápido. Sério! É impossível não cair na gargalhada com os devaneios de Dante. Depois que ele é privado de sexo a incoerência dele piora ainda mais, é muito interessante ver como autora derruba cada construção machista e pensamento que ele possa ter anti-compromisso.

“A vida te leva para onde você precisa ir. E, por mais que você queria uma coisa ou outra, o destino sempre te carrega para o lado certo.”

Não tenho nem como explicar a minha gratidão por a Dea me apresentar a esta história tão irreverente, eu amei demais Nunca vou me Apaixonar.

A escrita da Mari é muito cativante e fluida e as referências no início de cada capítulo são inexplicáveis e atraentes, na única ressalva é que se eu tivesse uma irmã como a do Gael e uma mãe como a do Dante eu já teria fugido para as colinas há muito tempo.

Minha nota foi 4 estrelinhas, porque nunca vou me apaixonar é o primeiro volume da série Famosas Últimas Palavras. Então eu preciso ler mais, ter um relacionamento melhor, me apaixonar por outros personagens e aí sim favoritar a série inteira.

O que obviamente não me impede de indicar para vocês que leiam, divirtam-se e se apaixonem por Fadinha e Dante assim como eu.

Até breve!
Beijos see ya!

Mazinha

Mazinha

Sou Mazinha, minha idade não importa, né? A alma é eterna KKKKK’ Moro em uma cidadezinha inexistente no mapa, sou viciada em Crepúsculo e todas as fanfics baseada nele, o que não quer dizer que a SM seja a minha autora da vida. Amo Romances e tenho me aventurado nos thrillers e segundo a Dani Fernandes eu adoro romance hot, só que nunca confirmei isso! Comecei a ler com 10 anos (vocês que lutem para fazer cálculos, eu sou de humanas).

Leia também

Um comentário

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Categorias

Arquivos