Resenha #381 Teto para Dois – Beth O’Leary @intrinseca

Resenha #381 Teto para Dois – Beth O’Leary @intrinseca






Título: Teto para Dois
Autor: Beth O’Leary
Lançamento: 2019
Estante: Skoob
Páginas: 400
Editora: Intrínseca
Comprar: Amazon
Literatura: Estrangeira
Gênero: Comédia Romântica
Estrelas: 4/5

Eles dividem um apartamento com uma cama só. Ele dorme de dia, ela, à noite. Os dois nunca se encontraram, mas estão prestes a descobrir que, para se sentir em casa, às vezes é preciso jogar as regras pela janela.

Três meses após o término do seu relacionamento, Tiffy finalmente sai do apartamento do ex-namorado. Agora ela precisa para ontem de um lugar barato para morar. Contrariando os amigos, ela topa um acordo bastante inusitado.

Leon está enrolado com questões financeiras e tem uma ideia pouco convencional para arranjar dinheiro rápido: sublocar seu apartamento, onde fica apenas no período da manhã e da tarde nos dias úteis, já que passa os finais de semana com a namorada e trabalha como enfermeiro no turno da noite. Só que tem um detalhe importante: o lugar tem apenas uma cama.

Sem nunca terem se encontrado pessoalmente, Leon e Tiffy fecham um contrato de seis meses e passam a resolver as trivialidades do dia a dia por Post-its espalhados pela casa. Mas será que essa solução aparentemente perfeita resiste a um ex-namorado obsessivo, uma namorada ciumenta, um irmão encrencado, dois empregos exigentes e alguns amigos superprotetores?



“Tiffy e Leon dividem a mesma cama, Tiffy e Leon nunca se encontraram.” Quando a história apresenta essa frase na sua premissa, ou a gente se assusta, ou a gente já quer embarcar nela e nunca mais largar. De que lado você ficará quando ler Teto para Dois?

A gente gosta de livros onde a temática seja leve e divertida, correto? Eu, por exemplo, amo os livros que me façam rir e chorar. E foi assim a minha história de leitura com Teto para Dois.

Não é novidade para ninguém que a bonitinha aqui, nessa frase que contém ironia, não gosta de ler livros da hype. Eu demorei um bom tempo para me deixar levar por essa leitura, tinha algo na história que me chamava atenção, mas o medo de me decepcionar pela hype era o que impedia de me render a história de Leon e Tiffy.

“Estou começando achar esquisito o fato de sermos amigos sem nunca termos nos encontrado. E exatamente o que sinto: somos amigos.”

E até agora eu não entendi por qual motivo eu tive medo de me entregar a essa história antes. É muito interessante ver um relacionamento ser construído por duas pessoas que nunca se viram, e moram embaixo do mesmo teto.

Acompanhar como eles dois conseguem desenvolver e se acostumar, até saber qual o mood que o outro está naquela semana é completamente apaixonante. Isso tudo é claro através de recados deixados em sequências em post-its.

Se vocês repararem, eu não estou conseguindo, e o melhor de tudo, eu nem vou contar a história resumidamente dos meus olhos. Até porque, esse livro foi tão falado, tão recomendado que todo mundo já deve saber do que se trata.

“Há tanta coisa aqui. Piadas, segredos, histórias, o desdobramento lento de duas pessoas cujas vidas estão mudando em paralelo – ou, talvez em sincronia. Momentos diferentes, mesmo lugar.”

A minha resenha é somente para deixar vocês saberem o quanto é importante se conhecer, aprender a conviver e mesmo cheio de medos depois de todo esse tempo, depois de um bom tempo entrar de cabeça em um relacionamento.

Óbvio que através da história criada por Beth O’Leary, a gente se pega pensando e reavaliando nossos relacionamentos anteriores e percebendo ou descobrindo, qual deles foram mais tóxicos do que o outro.

Como todo bom livro, as coisas só começam a funcionar depois que as coisas se caminham com os personagens, ou seja, depois que eles realmente se encontram. E eu não preciso descrever para você, só deixar minha opinião sobre como foi emocionante para mim tudo que levou Leon se apaixonar por Tiffy e o quanto eles combinavam.

“- Você é a minha casa, – responde Leon. – A cama, o apartamento… – ele para, como faz quando está procurando palavras que representem algo grande. – E só se tornou minha casa quando você apareceu, Tiffy.”

Acho que já falei demais, e espero realmente ter conseguido passar para vocês um pouco do que essa leitura foi para mim. Eu tenho o segundo livro da autora aqui, infelizmente ele ainda não fluiu. Mas a escrita dela é perfeita e o crescimento dessa história é significativo demais.

Minha nota não foi menos que 4,5 estrelas e esse é um livro daqueles que você quer ler, reler, e indicar para todo mundo. E quem assim como eu, ainda não leu esse livro por medo da hype pode embarcar na história com toda a certeza de que irá se apaixonar e dar boas gargalhadas.

Mazinha

Mazinha

Sou Mazinha, minha idade não importa, né? A alma é eterna KKKKK’ Moro em uma cidadezinha inexistente no mapa, sou viciada em Crepúsculo e todas as fanfics baseada nele, o que não quer dizer que a SM seja a minha autora da vida. Amo Romances e tenho me aventurado nos thrillers e segundo a Dani Fernandes eu adoro romance hot, só que nunca confirmei isso! Comecei a ler com 10 anos (vocês que lutem para fazer cálculos, eu sou de humanas).

Leia também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Agenda

junho 2021
D S T Q Q S S
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  

Parceiros