Sangue Dourado – Namina Forna | Resenha #424 @galerarecord

1 Shares
0
0
1
Resenha #419 Sangue Dourado – Namina Forna @galerarecord

Título: Sangue Dourado (Imortais #01)
Autor: Namina Forna
Lançamento: 2021
Estante: Skoob
Páginas: 378
Editora: Galera Record
Comprar: Amazon
Literatura: Estrangeira
Gênero: Fantasia, Young Adult
Estrelas: 3/5

Sinopse: Deka tem dezesseis anos e vive com medo e na expectativa da cerimônia de sangue que determinará se ela se tornará um membro de sua aldeia. Diferente de todos os outros por causa de sua intuição não natural, Deka ora por sangue vermelho para que ela possa finalmente sentir que pertence.

Mas no dia da cerimônia, seu sangue corre dourado, a cor da impureza e Deka sabe que enfrentará uma consequência pior do que a morte.

Então, uma mulher misteriosa vem até ela com uma escolha: ficar na aldeia e se submeter ao seu destino, ou partir para lutar pelo imperador em um exército de garotas como ela. Eles são chamados de quase imortais, com raros dons. E eles são os únicos que podem impedir a maior ameaça do império.

Sabendo dos perigos que se aproximam, mas ansiando por aceitação, Deka decide deixar a única vida que ela já conheceu. Mas ao viajar para a capital para treinar para a maior batalha de sua vida, ela descobrirá que a grande cidade murada guarda muitas surpresas. Nada e ninguém é exatamente o que parece ser - nem mesmo a própria Deka.

O início de uma série de fantasia ousada e envolvente para os fãs de Filhos de Sangue e Osso e Pantera Negra.


Sobre a história

Sangue Dourado conta a história de Deka, uma Alaki. Diferente e não humana, apesar de parecer comum. Vivendo em um mundo onde garotas como ela são odiadas.

Todas as garotas na puberdade são obrigadas a passarem pelo Ritual da Pureza, onde suas peles são cortadas e o seu sangue define o seu destino. As que têm sangue vermelho são puras, humanas comuns e aceitas pela sociedade. As de sangue dourado são as alakis, consideradas impuras e condenadas à morte.

Deka teme, mas anseia pelo Ritual da Pureza. Sempre foi diferente das outras garotas do vilarejo, e o que mais desejava era ser considerada pura como as outras, para enfim, ter mais afeto e respeito das pessoas. Mas ninguém pode fugir de seu destino e, mesmo sem passar pelo ritual, todos descobrem que Deka tem o sangue dourado. Assustada e traída pelos que mais amava, ela é condenada ao Mandato de Morte e tratada feito um demônio nojento.

As alakis tem sangue de ouro, e muitos gananciosos exploram isso, fazendo-as sangrarem para venderem o ouro. São fortes e têm habilidades muito superiores às dos humanos. Isso as faz parecer uma ameaça e por tanto são chamadas de demônios. Todas sofrem desprezo da sociedade e são torturadas de todas as formas possíveis.

Depois de sofrer das piores maneiras que sequer podia imaginar, ela recebe uma visita inesperada, e uma chance de se salvar.

Enviada para um campo de treinamento, Deka, juntamente com centenas de alakis de outros vilarejos, se preparam para uma grande guerra. O plano é derrotar todos os Uivantes Mortais, monstros que atacam o Reino Único, e trazer paz a todos. Depois de todos os monstros serem derrotados, as Alakis enfim poderão ser puras como as outras garotas.

Mas o destino tem outros planos para Deka e suas irmãs alakis. No meio de tantas mentiras, mortes, corrupção e traição ela encontra o mais improvável, amor, amizade e cumplicidade. Ela descobre que é muito mais forte e poderosa do que jamais imaginou ser e sua missão é muito maior do que derrotar monstros.

Sobre os personagens

Deka é uma personagem cativante, uma garota sonhadora que só quer ser comum, fazer o que é certo e viver como as outras. O seu senso de justiça e seu instinto a guiam em suas decisões. Ela tem muita força dentro de si e luta pelo o que acredita, isso é algo admirável nela. 

A sua melhor amiga, Britta, é outra personagem encantadora, que me apeguei muito facilmente. Ela é aquela pessoa alegre que sempre vê o lado bom das coisas e das pessoas. Uma amiga leal, não importa o que aconteça. Todos gostariam de ter uma amiga como a Britta por perto.

Keita e Mãos Brancas foram personagens que me surpreenderam demais. São frios e distantes e você fica na dúvida se são mocinhos ou vilões. Afinal, nessa história, nada é o que parece ser.

Todos os demais personagens importantes tiveram o seu momento de destaque, eu diria que cada um poderia ter sua própria história contada individualmente.

Não posso esquecer do Ixa, o monstrinho fofo que a Deka adotou. É a coisa mais meiga dessa história. Me lembrou um pouco o dragão do filme “como treinar o seu dragão”. Se não fosse o fato dele crescer demais e de beber o sangue da própria dona, dava até vontade de criar um de estimação.

Minha opinião

O livro reforça muito o empoderamento feminino e fala em favor das minorias sociais. O que está cada vez mais presente nos livros voltados ao público juvenil. O fato de ter muitos personagens negros em posição de destaque, foi algo que me agradou bastante.

Depois de uns 30% da história eu entrei no “mono maratona” e não conseguia mais parar de ler. Amo quando os livros fazem isso comigo, esse desespero pelo próximo capítulo é um bom sinal. Apesar de ter continuação, o final foi muito bom e fechado.

Achei as descrições das cenas de morte e quase morte um tanto nojentas, não estou acostumada com leituras assim. Todas as cenas de torturas foram angustiantes e me deixaram um tanto desconfortável enquanto lia.

Senti que algumas coisas foram colocadas de forma forçada, como se a autora tivesse feito esse acréscimo bem depois de ter concluído a história. Os animais exóticos e o mundo de Otera foi interessante, mas muito parecido com o nosso mundo, só acrescentaram umas anomalias, não me chamou tanto a atenção.

O plot foi bom, de fato inesperado. O foco não é o romance, então não espere muito por isso. Eu diria que as cenas de beijo foram dignas de um dorama. Se você assiste já entendeu do que estou falando. De modo geral foi uma boa leitura, eletrizante e angustiante.

Eu dou três estrelas para Sangue Dourado. Meu critério para dar notas é totalmente emocional, tiro a média pelo que senti enquanto lia. Gostei o suficiente para querer ler a continuação, mas não o bastante para uma nota maior. Espero que não tenha ficado confuso. Eu recomendo a leitura a todos que gostam de fantasia, e se sentem ok em ler cenas de tortura.

Se você gosta de fantasia leia também Willa, a garota da floresta. A história é mais leve mas muito interessante também.

1 Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.