Avis Rara lança este mês “Teorias Cínicas”, livro que debate a militância que está presente no mundo acadêmico

O selo Avis Rara, da Faro Editorial, lança este mês o best-seller que tem gerado um debate sobre o impacto dos ativismos da pós-modernidade: “Teorias Cínicas”, de Helen Pluckrose e James Lindsay.
1 Shares
1
0
0

O selo Avis Rara, da Faro Editorial, lança este mês o best-seller que tem gerado um debate sobre o impacto dos ativismos da pós-modernidade: “Teorias Cínicas”, de Helen Pluckrose e James Lindsay.

Como a academia e o ativismo tornam raça, gênero e identidade o centro de tudo e por que isso prejudica todos. Você já ouviu falar que a ciência é sexista? Ou que certas pessoas não devem praticar ioga ou cozinhar comida chinesa? Ou ouviram que ser obeso é saudável, que não existe tal coisa como sexo biológico, ou que apenas brancos podem ser racistas? VOCÊ ESTÁ CONFUSO COM ESSAS IDEIAS E SE PERGUNTA COMO ELAS CONSEGUIRAM DESAFIAR A PRÓPRIA LÓGICA? Neste livro, Helen Pluckrose e James Lindsay documentam a evolução dessas ideias, de suas origens grosseiras no pós-modernismo francês para seu refinamento dentro de campos acadêmicos militantes. Os autores alertam que a proliferação desenfreada dessas crenças anti-iluministas representa uma ameaça não apenas para a democracia liberal, mas também para a própria modernidade. Embora reconheçam a necessidade de desafiar o conceito de que não vivemos numa sociedade totalmente justa, Pluckrose e Lindsay analisam como tantos estudos ativistas, frequentemente radicais, prejudicam justamente os grupos que afirmam defender.

Neste livro, os estudiosos levantam uma discussão sobre o que, afinal de contas, os tais estudos sobre minorias têm realmente feito em favor daqueles a quem defendem, pautados em: ciência, linguagem, apropriação cultural, sexismo, questões de gênero, obesidade, racismo, entre outros.

1 Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *